Obra Gustavo Adolfo



Rua Sinodal , 50
CEP 93030-225 - São Leopoldo /RS - Brasil
Telefone(s): (51) 3589-1098 | (19) 9971-69022
ogaieclb@oga.org.br | secretaria@oga.org.br
ID: 2548

Ato litúrgico junto à sepultura do pastor Pechmann dá início às celebrações do centenário da OGA

27/01/2010

Pastor Pechmann
Lydia Pechmann
Na lápide, a manifestação da gratidão da OGA
Rui Bernhard sauda os presentes
Pastores Rui Bernhard Rolf Droste e Michael Kleine
Hilmar Kannenberg
Josué Scherer com a filha Eugênia e o filho Érico no descerramento da lápide
Josué Scherer falou em nome dos descendentes do pastor Pechmann
Os cantos tiveram a participação do coral da Comunidade de Hamburgo Velho
1 | 1
Ampliar

Ato litúrgico, na manhã de 16 de janeiro, junto à sepultura do pastor Johannes Friedrich Pechmann e de sua esposa Lydia Julie Emma Pechmann, nascida Meyer, deu início às celebrações dos 100 anos da Obra Gustavo Adolfo (OGA) da IECLB. A OGA foi fundada por Pechmann em 16 de janeiro de 1910, em Hamburgo Velho, Novo Hamburgo (RS). O casal está sepultado no cemitério da Comunidade Evangélica de Hamburgo Velho. Ele faleceu em 8 de março de 1925, e ela, em 24 de fevereiro de 1931 (e não em 10 de julho de 1947, como consta na página 54 do livro do centenário da OGA, “Uma obra de muitas mãos”).

A celebração alusiva ao centenário da OGA foi conduzida pelos pastores Rolf Droste, presidente da OGA, Rui Bernhard, secretário executivo, e Michael Kleine, pastor local. Entre a comunidade reunida estiveram um dos bisnetos de Pechmann, Dr. Josué Leonardo Scherer (médico em Novo Hamburgo) – representando sua mãe, Elsie Jane Pechmann Scherer (91 anos), que reside no Rio de Janeiro – e os trinetos Érico e Eugênia Scherer. Coube a eles descerrarem a placa colocada pela OGA na sepultura de seu fundador.

“Estamos aqui junto à sepultura da família Pechmann para sermos lembrados que as pessoas morrem e são sepultadas. Mas as obras que elas realizaram não morrem, quando são feitas com amor e quando convencem outras pessoas a continuá-las”, expressou Bernhard. Assim, prosseguiu, a OGA, iniciada há cem anos nesta comunidade, com a decisiva participação do pastor Pechmann, sempre encontrou pessoas dispostas a trabalhar e a empenhar-se por sua continuidade. E por isso ela existe até hoje e continua contando com milhares de voluntários que querem que sua caminhada continue, na certeza expressa na palavra-lema do centenário da OGA: A fé atua pelo amor.

Os 100 anos da OGA também estavam sendo celebrados com ações de graça, nesse mesmo dia, em outros dois locais: em Lützen (Leipzig) na Alemanha, junto ao memorial no local em que o rei Gustavo Adolfo perdeu sua vida numa batalha, e na Catedral Luterana de Upsala, na Suécia.

Uma breve biografia de Friedrich Pechmann, baseada em subsídios do pastor Johannes Hasenack, foi trazida por Rolf Droste. Quem se debruçou sobre a vida de Pechmann, como a OGA o fez ao compilar o livro do seu centenário – “Uma obra de muitas mãos”, lançado em outubro de 2009 – só pode ficar admirado como ele se dedicava às inúmeras grandes e pequenas tarefas no dia-a-dia de seu ministério pastoral, admirado sobre o quanto se conseguia fazer naquele tempo com condições de comunicação e de viagem “tão limitadas”, apontou Droste. “O pastor Pechmann é um dos vultos pioneiros da IECLB. Seu nome e sua obra são patrimônio da nossa Igreja”, declarou Droste.

Pechmann nasceu em Mönchen-Gladbach, Alemanha, em 26 de maio de 1851, fez estudos missionários, médicos e pedagógicos, foi ordenado para o ministério pastoral e foi enviado ao Brasil em 1882. Aqui, criou raízes e serviu ao Senhor “de todo o seu coração, de toda a sua alma, e com todo o seu entendimento” (Mateus 22.37). “O seu trabalho frutificou abundante”, testemunhou Droste.

Em junho de 1882, Pechmann assumiu a Paróquia de Santa Maria da Boca do Monte, que abrangia parte da Campanha e Serra do Rio Grande do Sul, de Arroio Grande até Cruz Alta. Ainda no mesmo ano casou-se com Lydia Julie Emma Meyer, com quem teve quatro filhos e cinco filhas. Lydia Pechmann foi a primeira presidente da OASE de Hamburgo Velho, fundada em 31 de março de 1910 com o nome de Sociedade de Senhoras e Senhoritas Gustavo Adolfo.

Em Santa Maria, Pechmann protagonizou, com o apoio da sua Comunidade, um desafio à lei vigente, no apagar das luzes do Império, construindo uma torre no templo, inaugurando-a publicamente. Junto com a Comunidade Evangélica de Santa Maria, participou da fundação do Sínodo Riograndense em 19 e 20 de maio de 1886, em São Leopoldo.

A maior parte do ministério, de 1893-1922, ele exerceu em Hamburgo Velho, inicialmente incluindo Campo Bom, Travessão e Novo Hamburgo. De 1893 a 1900, foi presidente do Sínodo Riograndense; de 1906 a 1922, presidente do Distrito Leste do Sínodo. Foi também editor do jornal semanal Riograndenser Sonntagsblatt (1897-1915 e 1920-1925); livreiro, distribuidor de bíblias e livros didáticos; fundador de corais; criador de escolas de ensino fundamental em Hamburgo Velho e Novo Hamburgo. Ele presidiu a OGA da fundação até 1925, quando faleceu, motivou a criação de associações Gustavo Adolfo de mulheres, que viriam a formar a Ordem Auxiliadora de Senhoras Evangélicas-OASE da IECLB. Com perseverança, Pechmann empenhou-se por todas as causas supra-paroquiais do Sínodo.

Hilmar Kannenberg, que falou em nome da Comunidade de Hamburgo Velho, descreveu Pechmann como um obstinado pelo bem. Já em Santa Maria ele chamou atenção por sua luta por justiça e igualdade, conquistando o apoio dos intelectuais da época. Defendia a justiça e igualdade também para os escravos, antes mesmo da abolição da escravatura no Brasil. Tinha o dom compulsivo de ajudar e empenhou-se muito em favor da educação, da liberdade de consciência, e da formação das mulheres. Em todas as suas ações envolvia a comunidade e a sociedade local. Dedicado a estas tarefas, ele ao mesmo tempo sempre tinha em mente o âmbito maior da igreja e de sua missão – no Rio Grande do Sul, no Brasil e no mundo.

A OGA, como Pechmann a concebeu, com suas promoções e festas anuais muito animadas, veio a fortalecer a consciência de igreja comum, de comunhão solidária. “Assim, podemos dizer, não fosse a OGA, fortalecendo as comunidades dispersas, não seríamos a IECLB que somos hoje e não estaríamos aqui”, garante o pastor Droste. “A OGA se tornou eficaz para ajudar a partir das muitas doações pequenas levantadas com promoções criativas e estimuladoras, como a Coleta Infantil, pela qual ficou comprovado que MUITO POUCO FAZ MUITO, muita fidelidade nas pequenas tarefas ajuda a construir algo maior, algo macro. É o que comprovamos ainda hoje”, agrega Droste.

Ele frisou que, ao convidar a família do Dr. Josué Scherer para descerrar a lápide, a OGA deixa registrado que este ato acontece com o propósito de louvar a Deus por ter vocacionado o pastor Pechmann e a sua esposa Lydia para o ministério do seu Reino na Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil; manifestar publicamente a gratidão pela fundação da Obra Gustavo Adolfo no Brasil por iniciativa do pastor Pechmann; e, assim também honrar a palavra das Sagradas Escrituras, em Hebreus 13.7: “Lembrem dos seus primeiros líderes espirituais, que anunciaram a mensagem de Deus a vocês. Pensem como eles viveram e morreram - e imitem a fé que eles tinham.”

“O pastor Pechmann sabia fazer a diferença em tudo com o que se envolvia. Dedicou-se de maneira especial à educação”, reforçou o bisneto Josué Scherer após o descerramento da lápide. Scherer, acompanhado também da esposa, Sandra Fleck, manifestou-se grato pelo convite da OGA para representar os descendentes de Pechmann neste ato solene.

O pastor sinodal Altemir Labes representou o Sínodo Nordeste Gaúcho e Helena Fey, o Sínodo Rio dos Sinos. O evento teve a participação do coral da Comunidade de Hamburgo Velho, sob a regência de Edi Kuhn. A OASE depositou um arranjo de flores no túmulo do casal Pechmann.

A expectativa é de que muitas pessoas possam integrar-se às comemorações do centenário da OGA, em 2010. Também haverá um culto festivo no dia 18 de julho de 2010 em Hamburgo Velho, onde tudo começou há 100 anos. A OGA convida cada paróquia da IECLB a realizar também um culto festivo num domingo de abril ou de maio de 2010.

Texto: Rolf Droste, Rui Bernhard e Ingelore S. Koch
Fotos: Ingelore S. Koch


Autor(a): Obra Gustavo Adolfo
Âmbito: IECLB / Organismo: Obra Gustavo Adolfo - OGA
ID: 5208
Jesus Cristo diz: Eu sou a luz do mundo; quem me segue nunca andará na escuridão, mas terá a luz da vida.
João 8.12
© Copyright 2024 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br